Animais na natureza podem ser prejudicados da mesma forma que animais domesticados e humanos?

Muitas pessoas têm uma visão romantizada dos animais selvagens; elas pensam que os animais selvagens são como guerreiros espartanos que não sentem dor, ou, pelo menos, não a sentem da mesma forma que seres humanos e animais domesticados. Isso é simplesmente falso. Todas as razões para acreditar que os humanos são conscientes também se aplicam aos animais, domesticados ou selvagens.

 

Animais na natureza sofrem da mesma maneira que animais domesticados

Animais selvagens possuem sistemas nervosos que não são substancialmente diferentes dos nossos. Na verdade, muitos desses animais são muito semelhantes ou quase iguais aos animais que os seres humanos geralmente consideram que são conscientes. Considere lobos em comparação a cães, gatos selvagens em comparação a gatos domesticados, pássaros selvagens em comparação a galinhas e javalis em comparação a porcos. Parece difícil acreditar que somente alguns deles poderiam ser sencientes ou que alguns poderiam sofrer menos que os outros.

Algumas pessoas podem pensar que as ameaças contínuas de ferimentos, fome, dor e medo na vida dos animais selvagens os tornam mais insensíveis a isso; no entanto, não há evidência nenhuma para isso. Eles sofrem, assim como nós ou outros animais sofreríamos em tais situações. O fato de tais situações difíceis serem constantes e familiares para os animais selvagens não significa que eles não sofrem; Pelo contrário, significa apenas que suas vidas podem estar repletas de sofrimento, tanto fisicamente como psicologicamente. Eles a suportam não porque é fácil para eles, mas porque não têm escolha.

Os animais selvagens têm que estar constantemente alertas de todos os riscos possíveis à sua sobrevivência. Isso torna suas curtas vidas profundamente estressantes. Animais sociais também têm que lidar com a aflição e o pesar associados a danos e ameaças de danos a seus companheiros. Nem todos os animais selvagens experimentam tal sofrimento psicológico. Porém, os animais selvagens são todos vulneráveis ao sofrimento físico, e o sofrimento físico por si só ainda pode ser terrível1.

Além dos danos da dor física e do sofrimento psicológico, os animais não humanos que sobrevivem à infância ainda morrem frequentemente em uma idade muito jovem, devido a ferimentos, doenças, fome ou predação. A morte também é um dano, já que ela priva os seres de futuras experiências de vida que poderiam ter tido.

Todos esses pontos levam à conclusão de que precisamos considerar as semelhanças entre o sofrimento de todos os tipos de animais em nossas decisões morais. A alegação de que animais selvagens não são capazes de ser prejudicados no grau que os seres humanos e animais domesticados são é errada e terrivelmente enganosa.

 

Viver na natureza não significa viver bem

Às vezes é assumido que os animais na natureza vivem vidas ótimas simplesmente porque eles são livres, como se liberdade implicasse automaticamente uma vida boa. Isso não é necessariamente verdade.

Teóricos da liberdade comumente apontam que a liberdade não significa simplesmente que um ser não é obrigado a fazer alguma coisa. Os seres precisam ser capazes de fazer o que eles querem fazer, ou o que será bom para eles. A maioria dos animais não humanos não tem esse nível de liberdade.

Considere o caso de crianças pobres que, em vez de brincar e ir à escola, têm que trabalhar em condições terríveis, por um salário miserável a fim de não morrer de fome. Essas crianças podem não ser escravas e podem ter a opção de escolher não trabalhar por sua sobrevivência, mas não podemos realmente alegar que essas crianças são livres em algum sentido significativo. As crianças não podem realmente escolher o que fazer, ou não sobreviverão. Animais selvagens passam por contínuas ameaças e têm que sofrer situações extremas sobre as quais eles não têm escolha. Isso não pode ser considerado liberdade. Não se pode dizer que animais que morrem pouco depois de vir à existência estejam vivendo livres, porque eles têm tão pouca chance de viver, em primeiro lugar, e porque eles não tem quase nenhuma chance de exercer a liberdade nessa vida curta2. Contudo, esse é o destino da maioria dos animais que já nasceram. Alguns animais põem centenas, milhares ou mesmo milhões de ovos por vez. Para as populações se manterem estáveis, a maioria de seus descendentes morrerá logo após vir à existência, vítimas ou de fome ou de predação.

A liberdade não é tudo que importa em termos humanos. Para alguns, ser livre é bom, pois significa que a realização pessoal pode ser alcançada ou que a pessoa não pode ser prejudicada por opressão. Mas o que importa é, em última análise, que suas preferências não sejam frustradas e que você não sofra porque está oprimido. Ser livre é bom porque pode ajudá-lo a conseguir isso. Entretanto, se não há nenhuma forma em que você possa viver uma vida livre de danos, não há nenhuma forma em que ser livre possa ajudá-lo de alguma forma. Se sua liberdade só lhe permite morrer dolorosamente, como é frequentemente o caso dos animais selvagens, então isso não vai ajudá-lo muito3.

 

Capacidades e cumprimento da própria natureza

Algumas vezes é argumentado que viver nos ambientes selvagens permite aos animais não humanos expressarem e cumprirem suas verdadeiras naturezas, ou desenvolverem suas capacidades. Mas esse também não parece realmente ser o caso. Alguém tem que estar vivo a fim de viver de acordo com a sua própria natureza. Porém, a maioria dos animais que nascem morrem pouco depois de vir à existência. Deixando de lado o fato de suas mortes serem muitas vezes terríveis e dolorosas, se apenas nos concentrarmos em se eles podem desenvolver suas capacidades e cumprir suas naturezas, parece claro que eles não são capazes. Quando consideramos os bebês humanos que morrem pouco depois de nascer, não falamos sobre o quanto eles se beneficiaram da liberdade para desenvolver suas capacidades ou cumprir suas naturezas.

Pode ser contra-argumentado que há pouco que possamos fazer em relação a esse fato da natureza de a maioria dos animais não sobreviverem após a infância, e que só podemos nos preocupar com aqueles que sobrevivem. Mas então temos que perguntar se simplesmente realizar seu potencial ou suas capacidades é bom para os indivíduos. É algo bom em si mesmo, independentemente das consequências? Ou a posse e cumprimento dessas capacidades é relevante apenas na medida que nos permite satisfazer nossos desejos e ter boas experiências, em vez de frustração e sofrimento, em nossas vidas?

 

Contra um argumento pela exploração de animais

Há uma visão especista segundo a qual o uso de animais como recursos por humanos é justo porque os animais não humanos prejudicam uns aos outros na natureza. Esse argumento não pode ser aceito. O fato de um indivíduo (seja um animal humano ou não humano) prejudicar outros não justifica os humanos aumentarem os danos. Não tentamos justificar a violência humana contra outros humanos apontando a existência já difundida de guerra, estupro e assassinato.

 

O que importa é a forma do dano, ou o dano em si?

Ao pensar sobre danos evitáveis, faz pouco sentido opor-se somente a alguns danos que atingem certos animais. No entanto, isso é feito até mesmo por aqueles que rejeitam a ideia de que está tudo bem em causar danos a alguns animais porque outros sofrem naturalmente nos ambientes selvagens.

Alguns teóricos com visões ambientalistas argumentam que a forma como pensamos sobre animais domesticados deve ser diferente da forma como pensamos sobre animais selvagens4. Esse ponto de vista deve ser rejeitado por razões morais porque se os animais com sistema nervoso central são capazes de sentir sofrimento e desfrute, eles devem ser respeitados5 independentemente do local onde vivem.

Basicamente, sofrimento é sofrimento, e privação da felicidade é privação da felicidade independentemente do ser que está sofrendo. Essa é a principal alegação antiespecista, e ela pode ser aplicada não apenas quando consideramos os interesses de humanos e não humanos, mas igualmente quando consideramos os interesses de diferentes animais não humanos. A oposição ao especismo significa rejeitar favorecer alguns animais em detrimento de outros por motivos injustificados.


Leituras adicionais

Alonso, W. J. & Schuck-Paim, C. (2017) “Life-fates: Meaningful categories to estimate animal suffering in the wild”, Animal Ethics [acessado em 10 de novembro de 2019]

Bovenkerk, B.; Stafleu, F. Tramper, R.; Vorstenbosch, J. & Brom, F. W. A. (2003) “To act or not to act? Sheltering animals from the wild: a pluralistic account of a conflict between animal and environmental ethics”, Ethics, Place and Environment, 6, pp. 13-26.

Brennan, O. (2018) “‘Fit and happy’: How do we measure wild-animal suffering?”, Wild-Animal Suffering Research, 23 May [acessado em 14 de maio de 2019].

Broom, D. M. (2014) Sentience and animal welfare, Wallingford: CABI.

Brown, J. (2006) “Comparative endocrinology of domestic and nondomestic felids”, Theriogenology, 66, pp. 25-36.

Clegg, I. L. K.; Delfour, F. (2018) “Can we assess marine mammal welfare in captivity and in the wild? Considering the example of bottlenose dolphins”, Aquatic Mammals, 44, pp. 181-200.

Clement, G. (2003) “The ethic of care and the problem of wild animals”, Between the Species, 10 (3) [acessado em 18 de abril de 2011].

Darwin, C. (2018 [1860]) “Letter no. 2814”, Darwin Correspondence Project Darwin [acessado em 29 deagosto de 2018].

Davidow, B. (2013) “Why most people don’t care about wild-animal suffering”, Essays on Reducing Suffering, 11 Nov. [acessado em 26 de setembro de 2019].

Dawkins, R. (1995) “God’s utility function”, Scientific American, 273, pp. 80-85.

Faria, C. (2014) “Should we intervene in nature to help animals?”, Practical Ethics: Ethics in the News, December 21 [acessado em 18 de outubro de 2019].

Faria, C. (2015) “What (if anything) makes extinction bad?”, Practical Ethics: Ethics in the News, October 5 [acessado em 4 de setembro de 2019].

Faria, C. (2018) “The lions and the zebras: Towards a new ethics of environmental management in African National Parks”, in Ebert, Rainer & Roba, Anteneh (eds.) Africa and her animals, Pretoria: Unisa Press, pp. 325-342.

Feber, R. E.; Raebel, E. M.; D’cruze, N.; Macdonald, D. W. & Baker, S. E. (2016) “Some animals are more equal than others: Wild animal welfare in the media”, BioScience, 67, pp. 62-72 [acessado em 13 de julho de 2019].

Fischer, B. (2018) “Individuals in the wild”, Animal Sentience, 23 [acessado em 29 de outubro 2019].

Garmendia, G. & Woodhall, A. (eds.) (2016) Intervention or protest: Acting for nonhuman animals, Wilmington: Vernon.

Gould, S. J. (1982) “Nonmoral nature”, Natural History, 91 (2), pp. 19-26.

Hettinger, N. (1994) “Valuing predation in Rolston’s environmental ethics: Bambi lovers versus tree huggers”, Environmental Ethics, 16, pp. 1-10.

Hettinger, N. (2018) “Naturalness, wild-animal suffering, and Palmer on laissez-faire”, Les Ateliers de l’Éthique, 13 (1), pp. 65-84 [acessado em 2 de dezembro de 2019].

Horta, O. (2015 [2011]) “The problem of evil in nature: Evolutionary bases of the prevalence of disvalue”, Relations: Beyond Anthropocentrism, 3, pp. 17-32 [acessado em 12 de setembro de 2019].

Horta, O. (2017) “Animal suffering in nature: The case for intervention”, Environmental Ethics, 39, pp. 261-279.

Horta, O. (2018) “Concern for wild animal suffering and environmental ethics: What are the limits of the disagreement?”, Les Ateliers de l’Éthique, 13 (1), pp. 85-100 [acessado em 4 de dezembro 2019].

Johannsen, K. (2017) “Animal rights and the problem of r-strategists”, Ethical Theory and Moral Practice, 20, pp. 333-345.

JWD Wildlife Welfare Supplement Editorial Board (2016) “Advances in animal welfare for free-living animals”, Journal of Wildlife Diseases, 52, pp. S4-S13.

Kirkwood, J. K. (2013) “Wild animal welfare”, Animal Welfare, 22, 147-8.

Kirkwood, J. K. & Sainsbury, A. W. (1996): “Ethics of interventions for the welfare of free-living wild animals”, Animal Welfare, 5, pp. 235-243.

Kirkwood, J. K.; Sainsbury, A. W. & Bennett, P. M. (1994) “The welfare of free-living wild animals: Methods of assessment”, Animal Welfare, 3, pp. 257-273.

Knutsson, S. & Munthe, C. (2017) “A virtue of precaution regarding the moral status of animals with uncertain sentience”, Journal of Agricultural and Environmental Ethics, 30, pp. 213-224.

MacClellan, J. P. (2012) Minding nature: A defense of a sentiocentric approach to environmental ethics, tese de doutorado, Knoxville: University of Tennessee [acessado em 30 de abril de 2020].

McLaren, G.; Bonacic, C. & Rowan, A. (2007) ”Animal welfare and conservation: measuring stress in the wild”, em Macdonald, D. W. & Willis, K. J. (eds.) (2013) Key topics in conservation biology, New York: Wiley-Blackwell, pp. 120-133.

Ng, Y.-K. (1995) “Towards welfare biology: Evolutionary economics of animal consciousness and suffering”, Biology and Philosophy, 10, pp. 255-285.

Rolston, H., III (1992) “Disvalues in nature”, The Monist, 75, pp. 250-278.

Ryf, P. (2016) Environmental ethics: The case of wild animals, Basel: University of Basel.

Sagoff, M. (1984) “Animal liberation and environmental ethics: Bad marriage, quick divorce”, Osgoode Hall Law Journal, 22, pp. 297-307 [acessado em 14 de julho de 2019]

Sittler-Adamczewski, T. M. (2016) “Consistent vegetarianism and the suffering of wild animals”, Journal of Practical Ethics, 4 (2), pp. 94-102 [acessado em 13 de agosto de 2019].

Soryl, A. A. (2019) Establishing the moral significance of wild animal welfare and considering practical methods of intervention, Master’s thesis, Amsterdam: University of Amsterdam.

Tomasik, B. (2013) “Intention-based moral reactions distort intuitions about wild animals”, Essays on Reducing Suffering, 4 Sept. [acessado em 14 de março de 2019].

Tomasik, B. (2015) “The importance of wild animal suffering”, Relations: Beyond Anthropocentrism, 3, pp. 133-152 [acessado em 2 de julho de 2019].

Tomasik, B. (2016) “Is there net suffering in nature? A reply to Michael Plant”, Essays on Reducing Suffering, Nov 28 [acessado em 30 de julho de 2019].

Torres, M. (2015) “The case for intervention in nature on behalf of animals: A critical review of the main arguments against intervention”, Relations: Beyond Anthropocentrism, 3, pp. 33-49 [acessado em 14 de outubro de 2019].


Notas

1 Sobre isso, ver Rachels, J. (2009) “Vegetarianism”, Philosopher James Rachels (1941-2003) [acessado em 17 de dezembro de 2012].

2 Ver, em especial: Berlin. I. (1969) “Two concepts of liberty”, em Berlin, I. Four essays on liberty, London: Oxford University Press. Veja tambén: Gray, T. (1991) Freedom, London: MacMillan; Miller, D. (ed.) (1991) Liberty, Oxford: Oxford University Press.

3 Isso é diferente da afirmação de que a liberdade importa quando tem a ver com autonomia, o que teóricos como Alasdair Cochrane alegam que somente alguns animais, mas não outros, têm. See Cochrane, A. (2011) Animal rights without liberation, New York: Columbia University Press.

4 Ver Callicott, J. B. (1989) In defense of the land ethic: Essays in environmental philosophy. Albany: State University of New York Press. Hargrove, E. C. (ed.) (1992) The animal rights/environmental ethics debate: The environmental perspective, Albany, State University of New York Press.

5 Ver, por exemplo, Bernstein, M. H. (1998) On moral considerability: An essay on who morally matters, Oxford: Oxford University Press.

Ética Animal em outras línguas