Animais em desastres naturais

Os animais que vivem na natureza são particularmente vulneráveis aos desastres naturais. Terremotos, furações, erupções vulcânicas, tsunamis e incêndios florestais podem ter consequências devastadoras. Muitos animais morrem afogados ou enterrados vivos por terra, cinzas, lava ou neve. São esmagados até a morte em tocas que desmoronam ou que estão pegando fogo. São esmagados por árvores e rochas, ou atingidos por granizo. Outros sofrem ferimentos graves, incluindo cortes e abrasões nos olhos, asas e brânquias; distúrbios respiratórios e digestivos; dentes corroídos; desnutrição e envenenamento por água e alimentos contaminados. Erupções e incêndios vulcânicos fortes podem alterar temporariamente o clima regional, esfriando ou aquecendo o ar, mudando ventos ou causando chuva. Vulcões, tempestades e inundações podem matar os animais marinhos diretamente ou causar problemas em longo prazo, depositando detritos e afetando a temperatura e a salinidade da água. Tudo isso contribui para os problemas de saúde dos animais marinhos, enquanto altera a circulação da água, o que afeta ainda mais a disponibilidade de nutrientes e a temperatura da água1.

Um desastre é definido em termos humanos como um evento catastrófico que excede a capacidade de uma comunidade de responder sem assistência externa2. Embora algumas definições incluam apenas eventos que afetam humanos, os animais não humanos também são afetados em grandes quantidades e geralmente carecem da capacidade e dos recursos de que precisam para se ajustar às consequências de um desastre. Normalmente, desastres naturais que prejudicam humanos também prejudicam animais não humanos. Mesmo eventos naturais incomuns, que são leves para os padrões humanos, podem ser catastróficos para os animais que vivem na natureza.

Os fatores que influenciam a sobrevivência de um animal não humano em um desastre natural incluem: as adaptações específicas de sua espécie, o estágio da vida em que se encontra, se é ou não a temporada de reprodução, se é migratória ou tem outros meios de fuga e o habitat particular em que vive. Outros fatores com os quais pode estar lidando são sua condição física ou capacidade de cuidar de si3. Animais com visão, audição ou outros sentidos aguçados têm maior probabilidade de escapar4, assim como os pássaros que podem voar para longe e animais maiores que podem correr rapidamente. Pequenos animais podem se afogar mais facilmente, terem suas tocas inundadas por inundações ou fortes chuvas, ou serem esmagados ou queimados quando ficam presos sem nenhuma maneira de escapar.

Os animais muitas vezes estão sob risco de serem deslocados, seja porque se movem para locais mais seguros, ou porque são varridos por ventos fortes ou por correntezas. Se os animais deslocados ficam amontoados em uma área pequena, correm o risco de terem grandes surtos de doenças e infestações de parasitas. A subnutrição e a morte por inanição devido a suprimentos limitados de comida também se tornam grandes riscos. Os animais podem também ser afetados pela exposição ao sol, frio ou vento, se não possuem abrigo adequado.

 

Terremotos e tsunamis

De acordo com o Serviço Geológico dos Estados Unidos (USGS), a cada ano ocorrem de 15 a 20 grandes terremotos em todo o mundo, com magnitude acima de 7.0 e mais de mil acima de 5.05. Diferentemente de furacões e vulcões, os terremotos ocorrem sem aviso prévio6. Além de sacudir a terra, os terremotos podem sacudir e deslocar o fundo do mar. As ilhas e as praias podem desaparecer da terra afundando ou dobrar de tamanho porque a terra ao seu redor é elevada7. Quando o fundo do mar é deslocado, pode criar um tsunami, que consiste de uma série de ondas altas e velozes que começam rapidamente, podem cruzar oceanos e podem durar dias8.  Eles podem ser seguidos por deslizamentos de terra que enterram animais vivos e destroem seus lares9 ou por inundações que podem varrê-los para longe.

Um terremoto em 2016 perto de Kaikoura, na Nova Zelândia, teve efeitos devastadores em alguns dos animais que vivem lá. Os mais afetados foram de uma colônia de pardelas de Hutton, aves marinhas que estavam nidificando no momento do terremoto. Metade da grande colônia de reprodução foi enterrada pela queda de rochas, e estima-se que 25% das 100.000 aves morreram. O terremoto alterou a forma e a elevação do fundo do mar, mudando drasticamente o ambiente submarino do qual dependem lagostins, pauas (uma espécie de caracol do mar) e outros animais marinhos. Aqueles que sobreviveram ao terremoto encontraram-se em um ambiente desconhecido, no qual lutaram para sobreviver10. Também é provável que algumas focas tenham morrido durante o terremoto, quando um deslizamento de terra varreu suas áreas de reprodução11.

Quando os tsunamis rompem, pássaros e outros animais pequenos podem ser varridos para a água e não conseguem voltar à terra seca. Alguns podem ser empurrados para o interior, longe de seus ninhos. Os ninhos de pássaros que precisam ser mantidos aquecidos podem ser inundados com água fria do mar. Aves marinhas e peixes que vivem em águas rasas perto da costa são enterrados vivos na areia ou são atingidos por detritos e sufocam. Os peixes são varridos para a terra onde sufocam porque não conseguem respirar fora da água. Algumas praias são varridas, e os habitats de água doce podem ser inundados com água salgada. As fontes de alimentos são varridas12.

Além de causar tsunamis, os terremotos podem causar incêndios, que levam a mais mortes, ferimentos e à destruição dos lares dos animais.

 

Vulcões

Existem pelo menos 20 vulcões em erupção no mundo em um dado momento, sem incluir vulcões subaquáticos, que são muito maiores em número13. As erupções podem durar meses ou anos, expelindo lava e cinzas abrasivas e tóxicas, causando explosões e aquecendo a água nas proximidades, que pode ferver animais marinhos vivos.

Erupções vulcânicas em ilhas podem resultar em todos os animais marinhos terrestres e nas proximidades sendo mortos ou deslocados. Os animais terrestres nas ilhas se saem pior do que os animais marinhos porque são mais dependentes da terra para nidificar e para se alimentar14. É improvável que os pássaros com ninhos na caldeira escapem, assim como os jovens pássaros que não conseguem voar muito longe. Os animais marinhos podem sair para o mar, embora seus filhotes na praia possam todos morrer. Se a lava cobrir toda a ilha, os outros animais não terão para onde correr e serão cobertos por lava ou cinzas. Os vulcões podem matar todos os animais presos na ilha e destruir os habitats dos animais que conseguiram escapar, forçando-os a se mudarem.

A lava quente ou a cinza que flui para a água matará os animais que não conseguem escapar em poças de maré. A lava e as cinzas também alteram a acidez e a turbidez da água, forçando muitos animais marinhos a se mudarem. As cinzas e outros detritos ficam presos nas brânquias e sufocam os peixes, e a lava pode deixar pequenos fragmentos de vidro que prejudicam os peixes à medida que a água passa por suas brânquias.

Os vulcões podem ser acompanhados por terremotos e deslizamentos de terra, emissões de gases e explosões, incluindo explosões subaquáticas de gás hidrogênio15. Essas explosões aumentam a temperatura da água ao seu redor, acidificam a água e desoxigenam-na. Isso pode matar peixes ou fazer com que eles deixem a área, destruindo seus habitats, de modo que eles não podem voltar16.

Mesmo quando estão muito perto de margens seguras, os animais podem ficar desorientados quando tentam escapar da água quente e acabam fervendo vivos. A erupção de 2018 no Havaí cobriu as marés e até ferveu a água do maior lago de água doce do Havaí, matando os animais que vivam lá17.

As cinzas depositadas pelos vulcões na terra contêm substâncias químicas e extremidades afiadas que ferem os animais na área por muitos anos após a erupção. As pontas afiadas das cinzas podem causar irritação nos olhos e na pele e são abrasivas para os dentes, para os cascos e também para as asas dos insetos. A ingestão das cinzas causa problemas respiratórios e bloqueios gastrointestinais18. Cinzas e gases destroem e contaminam os suprimentos de comida e de água. Animais jovens pastando em áreas vulcânicas podem crescer com fluorose dentária severa, que causa danos aos dentes emergentes, incluindo esmalte fraco e dentes que são facilmente quebrados ou perdidos. O mau estado dos dentes contribui para a deterioração da sua saúde19.

Se as cinzas atingirem a atmosfera, elas podem afetar o clima na área ao redor por meses ou anos. Gotas de ácido sulfúrico ou partículas de cinzas podem esfriar a temperatura em vários graus Celsius, bloqueando a radiação do sol. Esse é o efeito climático mais comum, mas se as partículas forem grandes o suficiente, elas podem causar aquecimento em vez de esfriar, bloqueando a fuga de gases da Terra20.

 

Tempestades

Vento, chuva e detritos de tempestades ferem e matam animais, e causam muitos danos aos seus habitats, incluindo a destruição de seus abrigos e a contaminação de fontes de comida e de água. Durante o furacão Dorian em 2019, os ventos chegaram a 295 Km/h. Ventos e chuvas fortes podem causar fratura de membros e traumas na cabeça, bem como problemas respiratórios e infecções devido à entrada de água nos pulmões. Os animais são deslocados e ficam órfãos. A maioria desses problemas não seria fatal se os animais pudessem receber cuidados, mas na maioria dos casos não recebem. Alguns poucos mamíferos e aves com sorte recebem cuidados se são arrastados até áreas urbanas e são encontrados desorientados no quintal de alguém.

Tempestades rotativas conhecidas como tempestades supercélula podem atingir uma altura de 16 quilômetros e possuem ventos com a força de um furacão. Uma tempestade em Billings, Montana, em 2019, teve ventos de até 120 Km/h (força de um furacão), e milhares de pássaros – um quarto dos pássaros habitantes da região – foram mortos ou feridos depois de serem atingidos por granizos irregulares do tamanho de bolas de golfe21.

Quando uma tempestade passa sobre a terra, os animais maiores geralmente procuram terrenos mais altos e muitos pássaros podem sentir mudanças na pressão barométrica e tentar voar para longe. Peixes e outros animais marinhos procuram águas mais profundas ou tentam migrar para um lugar mais seguro. Alguns animais, como roedores, répteis, aranhas e insetos, utilizam árvores caídas como jangada em um rio ou no oceano22.

Marés de tempestades e ventos fortes podem criar tanta pressão no fundo do mar que grandes quantidades de sedimento e grandes objetos são atirados nas redondezas23. A pressão pode rapidamente misturar a água mais fria perto do fundo do oceano com as águas rasas mais quentes. Isso pode causar hipotermia em animais de sangue frio que dependem da temperatura da água para regular a temperatura do seu corpo. As fortes correntes produzidas pelas águas misturadas podem matar muitos animais pequenos e que se movem devagar, que não conseguem simplesmente nadar para longe24.

Muitos animais nadam durante uma tempestade ou pouco antes, quando detectam mudanças de pressão, mas animais territoriais e nadadores lentos tendem a ser apanhados pela tempestade25 e nocauteados. Os animais que não sabem nadar são atingidos por níveis reduzidos de oxigênio na água, combinados com mudanças na salinidade. Esses dois fatores interrompem o equilíbrio de minerais e fluidos, causando desnutrição, estresse oxidativo e problemas de crescimento26.

Peixes e outros animais marinhos também podem ser varridos para longe. Os animais marinhos podem tentar encontrar abrigo em águas mais afastadas da tempestade, mas ainda podem ser levados para a costa por ventos fortes o suficiente. Durante o furacão Andrew, em 1992, nove milhões de peixes foram mortos após serem varridos para praia, e 182 milhões de peixes foram mortos em uma área da Flórida27. Peixes de sangue frio e animais marinhos podem ser especialmente vulneráveis ​​devido a grandes mudanças de temperatura e salinidade nos lugares para os quais acabam sendo atirados28.

Ventos fortes podem deslocar pássaros, morcegos, girinos, peixes e outros animais pequenos ou bebês29. Os ninhos e os suprimentos alimentares também podem ser varridos para longe e os suprimentos alimentares restantes podem apodrecer, criando escassez de alimentos e de locais de abrigo, aumentando a competição entre os animais por esses recursos30. Os pássaros podem sobreviver a tempestades menores escondendo-se nas cavidades das árvores ou agarrando-se mais firmemente aos galhos31. Se permanecerem em seus habitats domésticos durante ventos fortes, correm o risco de morrer quando as árvores em que vivem são destruídas. Aqueles que sobrevivem podem ser varridos para centenas de quilômetros de seus lares e serem incapazes de encontrar o caminho de volta, principalmente se forem separados de seu grupo.

 

Inundações

Animais menores são mais vulneráveis ​​a se afogarem ou morrerem em consequentes inundações e deslizamentos de terra32. Os animais que vivem em tocas ​​podem estar protegidos de distúrbios menores, mas as chuvas torrenciais podem derrubar suas tocas ou bloquear as entradas, aprisionando-as ou deixando-as sem abrigo. As entradas da toca podem ser bloqueadas por galhos, folhas, pedras e outros detritos movidos pela água ou pelo vento.

Folhas e detritos também podem prejudicar os animais marinhos, bloqueando a luz solar, reduzindo os níveis de oxigênio à medida que apodrecem e sufocando os peixes devido ao bloqueio de suas brânquias33.

 

Incêndios

Um único incêndio pode matar milhões de animais34. As chamas e a fumaça de incêndios em florestas matam a maioria dos animais no seu caminho, incluindo muitos animais escavadores que estão muito próximos da superfície e animais que vivem em rios e córregos à medida que as chamas passam. Mesmo que sobrevivam ao incêndio, as consequências do incêndio podem deixar os animais com queimaduras, cegueira e problemas respiratórios que podem ser fatais ou permanentemente debilitantes. Os ventos com força de furacão podem transportar brasas e cinzas de um incêndio a uma milha de distância, o que pode desencadear novos incêndios35. Incêndios fortes geram tanta energia que alteram o clima local, modificando o vento e a temperatura. A umidade que sai do fogo pode gerar nuvens que causam chuva36.

Grandes mamíferos e aves são mais propensos a sobreviver do que outros animais. Os mamíferos podem correr para terrenos mais altos, onde a terra está úmida, ou então se moverem para riachos ou lagos. Aves voam para longe, se puderem. Animais com melhor visão, audição e olfato podem começar a fugir mais cedo.

Alguns animais, como esquilos, porcos-espinhos37 e coalas38 tentam fugir subindo em árvores, o que não é uma boa estratégia em um incêndio. Outros animais podem tentar fugir, mas depois entram em pânico e retornam aos seus abrigos. Os animais menores podem se enterrar no chão, mas, se não cavam profundamente o bastante, morrerão quando suas tocas esquentarem como um forno39. Outros animais pequenos procuram abrigo sob rochas ou dentro de toras40. Os animais pequenos e de movimento lento têm menos probabilidade de escapar, e aqueles que sobrevivem podem estar mais expostos a predações e outros riscos devido à mudança de paisagem41.

Os animais que fogem podem morrer devido à inalação de fumaça, queimaduras, exaustão, desorientação, ou ataques de predadores à espera ao longo do caminho de fuga42. Mães e bebês podem não conseguir deixar o local, e animais territoriais podem ser mais relutantes a sair, ficando aonde estão até que seja tarde demais para conseguir fugir.

Os animais que vivem nas florestas também precisam lidar com os efeitos de curto e longo prazo dos incêndios florestais. Um dos efeitos mais perigosos a curto prazo é o choque, que pode inibir a capacidade de um animal de comer, procurar abrigo e proteger-se de predadores ou de outras agressões.

Ferimentos devido à fumaça geralmente possuem vida curta e muitas vezes se curam naturalmente dentro de alguns dias. Entretanto, se o ferimento é severo o bastante ou prolongado, pode causar um dano maior, incluindo dano nos pulmões, perda de visão, ou mesmo cegueira. As aves estão especialmente em risco de terem sérios danos respiratórios por causa da quantidade de ar que ingerem proporcionalmente ao seu tamanho43. A pele queimada causa uma imensa quantidade de dor, pode limitar a mobilidade e pode nunca cicatrizar completamente. Asas e outros apêndices chamuscados também podem afetar a capacidade dos animais de se movimentarem e de navegar.

Animais feridos e assustados são mais suscetíveis a outras ameaças, como a predação. Animais que se camuflam contra casca e folhas podem ficar mais expostos porque há menos árvores para se esconder dentro ou entre elas44.

As áreas queimadas de uma floresta absorvem menos água; portanto, inundações e deslizamentos de terra são mais comuns após um incêndio florestal45. As chuvas após um incêndio podem levar as cinzas para longe, envenenando os animais longe da área queimada e danificando seu suprimento de comida. Se o fogo ocorrer perto de um corpo de água, as cinzas podem entrar na água, reduzindo os níveis de oxigênio e ficando presas em brânquias e pulmões.

Para os humanos, recursos públicos e privados são gastos para reduzir riscos e mitigar danos causados ​​pelo colapso de construções, incêndios, inundações, deslizamentos de terra e falta de comida e água. A maioria das mortes humanas em desastres naturais vem de construções que desmoronam46. Os animais não humanos também perdem seus lares e partes dos habitats de que precisam para sobreviver, mas não têm acesso à tecnologia moderna ou a agências de planejamento de desastres. Se um animal poderá ou não lidar com um desastre natural e suas consequências tem muito a ver com uma combinação de fatores que estão na maior parte fora de seu controle.

Para ler sobre como ajudar, consulte ajudando animais em incêndios e desastres naturais.

 


Leituras adicionais

Alho, C. J. R. & Silva, João S. V. (2012) “Effects of severe floods and droughts on wildlife of the Pantanal Wetland (Brazil)—A review”, Animals, 2, pp. 591-610 [acessado em 14 de julho de 2019].

American Geoscience Institute (2017) “Earthquake basics”, americangeosciences.org, 05 August [acessado em 04 de setembro de 2019].

Anderson, A. & Anderson, L. (2006) Rescued: Saving animals from disaster, New World Library: Novato.

Animal Ethics (2015) “What happens to wild animals during hurricanes?”, Blog, Animal Ethics, 24 Nov [acessado em 12 de novembro de 2019].

Cherry, M. J.; Warren, R. J. & Connor, L. M. (2017) “Fire‐mediated foraging tradeoffs in white‐tailed deer”, Ecosphere, 8 (4) [acessado em 30 de agosto de 2019].

Dale, V. H.; Swanson, F. J.; Crisafulli, C. M. (2005) Ecological Responses to the 1980 eruption of Mount St. Helens, New York: Springer.

Decker, S. M.; Lord, L. K.; Walker, W. L. & Wittum, T. E. (2010) “Emergency and disaster planning at Ohio animal shelters”, Journal of Applied Animal Welfare Science, 13, pp. 66-76.

Federal Emergency Management Agency (2008) “Preparing your pets for emergencies makes sense. Get ready now”, ready.gov [acessado em 28 de agosto de 2018].

Heath, S. E.; Beck, A. M.; Kass, P. H. & Glickman, L. T. (2001) “Risk factors for pet evacuation failure after a slow-onset disaster”, Journal of the American Veterinary Medical Association, 218, pp. 1905-1910.

Horton, Helena (2017), “What happens to wild animals in a hurricane – and which species do surprisingly well?”, The Telegraph, 11 September [acessado em 23 de agosto de 2019].

Hunt, M. G.; Bogue, K. & Rohrbaugh, N. (2012) “Pet ownership and evacuation prior to Hurricane Irene”, Animals, 2, pp. 529-539 [acessado em 28 de julho de 2019].

Irvine, L. (2004) “Providing for pets during disasters: An exploratory study”, Quick Response Research Report, 171.

Irvine, L. (2006a) “Animals in disasters: Issues for animal liberation activism and policy”, Journal for Critical Animal Studies, 4, pp. 2-16 [acessado em 14 de novembro de 2014].

Irvine, L. (2006b) “Providing for pets during disasters, part II: Animal response volunteers in Gonzales, Louisiana”, Quick Response Research Report, 187 [acessado em 20 de setembro de 2015].

Irvine, L. (2007) “Ready or not: Evacuating an animal shelter during a mock emergency”, Anthrozoös: A Multidisciplinary Journal of the Interactions of People and Animals, 20, pp. 355-364.

Kuppusamy, Sivakumar (2009) “Impact of the tsunami (December, 2004) on the long tailed macaque of Nicobar Islands, India”, Hystrix – Italian Journal of Mammalogy [acessado em 13 de setembro de 2009].

Kouadio, I. K.; Aljunid, S.; Kamigaki, T.; Hammad, K. & Oshitani, H. (2014) “Infectious diseases following natural disasters: prevention and control measures”, Expert Review of Anti-infective Therapy, 10, pp. 95-104.

Simms, A.; Scott, M.; Watson, S.; Leonard, S. (2019) “Attenuated post-fire fauna succession: the effects of surrounding landscape context on post-fire colonisation of fauna”, Wildlife Research, 46, pp. 247-255 [acessado em 13 de outubro de 2019].

Nolen, R. S. (2006) “Congress orders disaster planners to account for pets”, JAVMA News, October 15 [acessado em 03 de setembro de 2019].

White, S. (2012) “Companion animals, natural disasters and the law: An Australian perspective”, Animals, 2, pp. 380-394 [acessado em 14 de maio de 2019].


Notas

1 Nagaraja, M. P. (2019] “Salinity”, NASA science [acessado em 01 de dezembro de 2019]. Hays, G. C. (2017) “Ocean currents and marine life”, Current Biology, 27, pp. R470-R473 [acessado em 05 de outubro de 2019].

2 Ritchie, H. & Roser, M. (2019) “Natural disasters”, Our World in Data [acessado em 14 de junho de 2019]. California Department of Public Health (2019) “Know and understand natural disasters”, Be Informed [acessado em 29 de agosto de 2019].

3 Geigel, L. (2017) “During a hurricane, what happens underwater?”, Live Science, September 08 [acessado em 13 de setembro de 2019]. Leider, S. A. (1989) “Increased straying by adult steelhead trout, Salmo gairdneri, following the 1980 eruption of Mount St. Helens”, Environmental Biology of Fishes, 24, pp. 219-229. Roy, E. A. (2109) “New Zealand earthquake: Fears for wildlife along devastated coastline”, The Guardian, Wed 16 November [acessado em 31 de agosto de 2019]. Scott, W. E.; Nye, C. J.; Waythomas, C. F. & Neal, C. A (2010) “August 2008 eruption of Kasatochi volcano, Aleutian Islands, Alaska-resetting an Island Landscape”, Arctic, Antarctic, and Alpine Research, 42, pp. 250-259 [[acessado em 31 de agosto de 2019]. Esque, T. C.; Schwalbe, C. R.; Defalco, L. A.; Duncan, R. B. & Hughes, T. J. (2003) “Effects of desert wildfires on desert tortoise (Gopherus agassizii) and other small vertebrates,” The Southwestern Naturalist 48, pp. 103-111.

4 Breuner, C. W.; Sprague, R. S.; Patterson, S. H.; Woods, A. W. (2013) “Environment, behavior and physiology: do birds use barometric pressure to predict storms?”, Journal of Experimental Biology, 216, pp. 1982-1990 [acessado em 05 de outubro de 2019]; Heimbuch, J. (2017) “What happens to marine wildlife during hurricanes?”, MNN.com [acessado em 23 de setembro de 2019]; Grant, R. A.; Raulin, J. P.; Freund, F. T. (2015) “Changes in animal activity prior to a major (M = 7) earthquake in the Peruvian Andes”, Science Direct, 85-86, pp. 69-77. Zoological Society of London (2010) “Toads’ earthquake exodus”, Science Daily, April 1 [acessado em 07 de outubro de 2019].

5 United States Geological Survey (2002) “Earthquake Statistics”, usgs.gov [acessado em 31 de agosto de 2019].

6 United States Federal Emergency Management Agency (2016) “Earthquake safety at home”, fema.gov [acessado em 31 de agosto de 2019].

7 California Institute of Technology Tectonics Observatory (2007) “What happened during the 2004 Sumatra earthquake”, tectonics.caltech.edu [acessado em 29 de agosto de 2019].

8 National Tsunami Warning Center (2018) “Tsunami Frequently Asked Questions”, tsunami.gov [acessado em 23 de setembro de 2019].

9 Bressan, D. (2016) “Earthquakes can have devastating impacts on wildlife”, Forbes, Nov 30 [acessado em 31 de agosto de 2019].

10 Morton, J. (2016) “Kaikoura quake: How has wildlife fared?”, NZ Herald, 21 Nov [acessado em 01 de outubro de 2019].

11 Roy, E. A. (2016) “New Zealand earthquake: fears for wildlife along devastated coastline”, The Guardian, Wed 16 Nov [acessado em 01 de novembro de 2019].

12 Goldman, J. (2011) “Impact of the Japan earthquake and tsunami on animals and the environment”, Scientific American, March 22 [acessado em 13 de setembro de 2019].

13 Global Volcanism Program (2013) “How many active volcanoes are there?”, Smithsonian Institution [acessado em 19 de setembro de 2019].

14 Williams, J. C.; Drummond, B. A.; Buxton, R. T. (2010) “Initial effects of the August 2008 volcanic eruption on breeding birds and marine mammals at Kasatochi Island, Alaska”, Arctic, Antarctic, and Alpine Research, 42, pp. 306-314 [acessado em 29 de agosto de 2019].

15 Boneza, J. (2018) “The impact the lava flowing into the ocean on Hawaii island has on coastal waters and marine life”, Khon2 News, 8 June [acessado em 13 de setembro de 2019]; United States National Park Service (2018) “What’s going on with the volcanoes?”, Hawai’i Volcanoes [acessado em 31 de agosto de 2019].

16 Fraile-Nuez, E.; González-Dávila, M.; Santana-Casiano, J. M.; Arístegui, J.; Alonso-González, I. J.; Hernández-León, S.; Blanco, M. J.; Rodríguez-Santana, A.; Hernández-Guerra, A.; Gelado-Caballero, M. D.; Eugenio, F.; Marcello, J.; de Armas, D.; Domínguez-Yanes, J. F.; Montero, M. F.; Laetsch, D. R.; Vélez-Belchí, P.; Ramos, A.; Ariza, A. V.; Comas-Rodríguez, I. & Benítez-Barrios, V. M. (2012) “The submarine volcano eruption at the island of El Hierro: Physical-chemical perturbation and biological response”, Scientific Reports, 2 [acessado em 23 de setembro de 2019].

17 Kerr, B. (2018) “‘The entire habitat is gone: Hawaiis natural wonders claimed by lava”, The Guardian, Wed 20 Jun [acessado em 02 de outubro de 2019].

18 Leggett, R. (2018) “Plants & animals around volcanoes”, Sciencing, April 23 [acessado em 19 de setembro de 2019]. Scientific American (2005) “How do volcanoes affect world climate?”, October 4 [acessado em 19 de setembro de 2019]. Volcanic Ashfall Impacts Working Group (2015) “Animals (livestock)”, Volcanic ash impacts and mitigation [acessado em 19 de setembro de 2019].

19 Flueck, W. T.; Smith-Flueck, J. A. M. (2013) “Severe dental fluorosis in juvenile deer linked to a recent volcanic eruption in Patagonia”, Journal of Wildlife Diseases, 49, pp. 355-366. Flueck, W. T. (2011) “Continuing impacts on red deer from a volcanic eruption in 2011”, European Journal of Wildlife Research, 60, pp. 699-702.

20 University Corporation for Atmospheric Research (2004) “How volcanoes influence climate”, scied.ucar.edu [acessado em 19 de setembro de 2019]. United States Geological Survey (2019) “Do volcanoes affect weather?”, usgs.gov [acessado em 23 de outubro de 2019].

21 Cappucci, M. (2019) “Montana hailstorm slaughters 11,000 birds”, The Washington Post, 21 August [acessado em 13 de setembro de 2019].

22 Yeager, A. (2017) “How animals and plants weather hurricanes”, TheScientist.com, Oct 6 [acessado em 21 de agosto de 2019].

23 Geigel, L. (2017) “During a hurricane, what happens underwater?”, op. cit.

24 National Oceanic and Atmospheric Observation (2018) “How do hurricanes affect sea life?”, National Ocean Service, 06/25/18 [acessado em 23 de setembro de 2019].

25 Geigel, L. (2017) “During a hurricane, what happens underwater?”, op. cit.

26 Cañedo-Argüelles, M.; Kefford, B.; Schäfer, R. (2018) “Salt in freshwaters: Causes, effects and prospects – introduction to the theme”, Philosophical Transactions of the Royal Society B: Biological Sciences, 374 (1764) [acessado em 07 de outubro de 2019].

27 National Wildlife Federation (2011) “Seven things to know about how hurricanes affect wildlife”, nwf.org, 27 August [acessado em 23 de agosto de 2019].

28 Ibid.

29 The Telegraph (2011) “Strange rain: Animals that have fallen from sky”, The Telegraph, 15 December [acessado em 22 de agosto de 2019].

30 Indiana Wildlife Disease News (2009) “Starvation and malnutrition in wildlife”, 4 (1), pp. 1-3 [acessado em 22 de agosto de 2019].

31 Horton, H. (2017) “What happens to wild animals in a hurricane – and which species do surprisingly well?”, The Telegraph, 09 September [acessado em 22 de agosto de 2019].

32 Shafeeq, M. (2018) “Kerala floods leave trail of destruction in forests; elephants, tigers among several animals killed”, Firstpost, 30 August [acessado em 21 de agosto de 2019].

33 Dilonardo, M. J. (2018) “What happens to animals during a hurricane?”, MNN.com, 12 September [acessado em 21 de agosto de 2019].

34 Phys.org (2019) “More than 2 million animals perish in Bolivia wildfires”, phys.org, 26 September [acessado em 05 de outubro de 2019].

35 Oskin, B. (2013) “Fighting fires: You’re doing it wrong”, LiveScience, 14 January [acessado em 19 de setembro de 2019].

36 Bennett, H. (2019) “Wildfire science: Computer models, drones and laser scanning help fan the flames and prevent widespread devastation”, Science Focus, 26th September [acessado em 13 de setembro de 2019].

37 Campbell, M. (2016) “What will the Fort McMurray fires mean for wildlife?”, Maclean’s, May 9 [acessado em 28 de outubro de 2019].

38 Zielinski, S. (2014) “What do wild animals do in a wildfire?”, National Geographic, July 22 [acessado em 13 de setembro de 2019].

39 Campbell, M. (2016) “What will the Fort McMurray fires mean for wildlife?”, Maclean’s, 9 May [acessado em 13 de setembro de 2019].

40 Zielinski, S. (2014) “What do wild animals do in a wildfire?”, op. cit.

41 Esque, T. C.; Schwalbe, C. R.; Defalco, L. A.; Duncan, R. B. & Hughes, T. J. (2003) “Effects of desert wildfires on desert tortoise (Gopherus agassizii) and other small vertebrates,” op. cit.

42 Daly, N. (2019) “What the Amazon fires mean for wild animals”, National Geographic, August 23 [acessado em 13 de setembro de 2019]. Zielinski, S. (2014) “What do wild animals do in a wildfire?”, op. cit.

43 Cope, R. B. (2019) “Overview of smoke inhalation”, Merck Manual: Veterinary Manual [acessado em 23 de setembro de 2019].

44 Daly, N. (2019) “What the Amazon fires mean for wild animals”, op. cit.

45 Tremblay, S. (2019) “Mudslides, flooding and avalanche warnings – why California had such a wet weather week”, Sciencing, January 23 [acessado em 23 de agosto de 2019].

 46 Ritchie, H. & Roser, M. (2019) “Natural disasters”, op. cit.

Ética Animal em outras línguas