Trabalho em biologia do bem-estar sobre como os incêndios prejudicam os animais selvagens e o que fazer a respeito

6 Mai 2021

Nos últimos anos, a Ética Animal tem trabalhado para promover trabalhos acadêmicos sobre a situação dos animais selvagens, com foco em trabalhos que tenham grande potencial para fazer uma diferença prática no seu bem-estar. No ano passado, financiamos Jara Gutiérrez, uma bióloga com doutorado em ciências do bem-estar animal, para que ela fizesse uma pesquisa de pós-doutorado na Universidade Autônoma de Madri sobre os efeitos de incêndios nos animais selvagens.

Os incêndios prejudicam os animais que vivem na natureza de várias maneiras e é importante reconhecer como eles são afetados e reconhecer as oportunidades para reduzir esses danos. Há uma falta muito preocupante de pesquisas sobre o bem-estar individual dos animais que vivem na natureza, então publicações como esta são especialmente importantes agora para que possamos começar a reverter essa situação.

Esta pesquisa pode ser útil para informar políticas e projetar protocolos que visam ajudar os animais durante e após os incêndios. Também estamos entusiasmados com esta pesquisa porque ela pode incentivar pesquisas futuras semelhantes por parte de outros cientistas. Já publicamos sobre este assunto aqui:

Animais ajudados em incêndios e desastres naturais

Animais em desastres naturais

Temporada de incêndios na Austrália: sofrimento dos animais selvagens e a resposta aos incêndios

Temos o prazer de anunciar que seu trabalho foi concluído. Estamos publicando um relatório aqui incluindo uma revisão da literatura de mais de 400 publicações feita por Gutiérrez sobre como os animais são prejudicados por incêndios florestais e sobre como eles podem ser ajudados. Além disso, ela enviou um artigo para publicação em um periódico de biologia, que também está disponível como uma pré-impressão (em inglês) aqui:

Incêndios na natureza: uma revisão dos desafios para os animais selvagens

Queremos agradecer aos nossos doadores muito generosos por nos permitir financiar projetos importantes como este. Isso foi possível graças à ajuda do EA Animal Welfare Fund. Se você gostaria de ver mais trabalhos deste tipo, por favor considere apoiar nosso trabalho. Seu apoio também pode ser vital para viabilizar esta pesquisa e contribuir para um futuro mais positivo para todos os animais.

O estudo pode ser baixado em inglês aqui. Abaixo você pode ver uma explicação mais detalhada do projeto de pesquisa de Jara Gutiérrez na Universidade Autônoma de Madrid:

________________________________________

Desafios colocados por incêndios para os animais selvagens e como ajudar: uma revisão da literatura

Sumário executivo

Background

A vida dos animais selvagens não é idílica. Na verdade, existem causas importantes de sofrimento animal na natureza, como os incêndios florestais. Tanto os incêndios naturais como os causados ​​pelos humanos podem causar grandes danos aos animais que vivem na natureza. Os incêndios mostram uma tendência crescente de queimar áreas maiores (Doerr & Santín 2016), sugerindo uma tendência de incêndios florestais menos frequentes, mas maiores (Westerling 2016), que devem continuar nos próximos anos.

Ao avaliar as consequências dos incêndios, a atenção recai quase apenas sobre os incêndios que têm custos elevados e/ou, por vezes, impactos trágicos para os humanos (Yell 2010). Além disso, os estudos que avaliam o impacto negativo do fogo sobre os animais muitas vezes se concentram não nos animais selvagens, mas em espécies domésticas e animais de criação, principalmente por interesses econômicos.

A pesquisa atual coletou evidências científicas de senciência em vários animais, incluindo animais selvagens. Como muitos animais são capazes de perceber situações desafiadoras, os incêndios podem ser uma ameaça ao bem-estar dos animais que vivem na natureza.

Em termos gerais, um incêndio é um evento estressante para os animais que desencadeia respostas fisiológicas, endócrinas e comportamentais como resultado de uma adaptação evolutiva para a sobrevivência. Além dos danos fisiológicos, o fogo pode envolver desconforto, medo e angústia nos animais.

O estudo de como os incêndios florestais afetam os animais – direta e indiretamente, em curto e longo prazo – pode ser complexo. Pode haver variações substanciais dependendo das espécies nas áreas envolvidas e dos ambientes em que se encontram, bem como das características dos incêndios. Até o momento, mais pesquisas sobre a biologia do bem-estar e sobre o monitoramento e evacuação de animais selvagens em risco durante incêndios são cruciais para melhorar nossa compreensão das formas como os animais são prejudicados e de como podemos ajudá-los, bem como para incentivar intervenções e pesquisas futuras sobre o assunto.

Objetivos e metodologia

Esta revisão tem como objetivo resumir os principais efeitos negativos dos incêndios sobre os animais selvagens e sugerir algumas melhorias no planejamento de intervenções futuras. A metodologia consistiu na avaliação dos artigos científicos e resenhas mais relevantes relacionados ao tema, com o objetivo de fazer uma revisão suficientemente ampla com base na literatura existente considerando os desafios fisiológicos, psicológicos e etológicos gerais que os incêndios florestais causam nos animais.

O projeto é importante por vários motivos: (1) pode fornecer uma melhor compreensão de como a vida dos animais na natureza é afetada por uma das ameaças que enfrentam, utilizando o conhecimento obtido em estudos ecológicos; (2) pode formar a base para o planejamento de protocolos futuros para resgatar animais ou prevenir danos; (3) pode ajudar a aumentar a preocupação com a situação dos animais selvagens enquanto indivíduos; e (4) pode ajudar a desenvolver trabalhos sobre biologia do bem-estar ao identificar futuras linhas de pesquisa promissoras relacionadas ao tema.

Resultados

Como os animais respondem aos incêndios depende de muitos fatores, incluindo sua história de vida, adaptações evolutivas aos incêndios e estilos individuais de enfrentamento do estresse, além das características do incêndio.

A primeira resposta ao incêndio é a decisão de fugir ou permanecer na área que está sendo queimada. Esse comportamento depende da espécie, das circunstâncias ambientais e da mobilidade. Enquanto alguns indivíduos tentam fugir das chamas, nadando ou correndo ansiosamente, outros tentam se refugiar em tocas das quais relutam em sair. Alguns mamíferos pequenos foram vistos fugindo das chamas enquanto carregavam filhotes com os olhos ainda fechados nas costas. Em contraste, outros indivíduos, geralmente mamíferos maiores, permanecem em silêncio forrageando a poucos metros das chamas.

Ao fugir, os animais podem enfrentar maior exposição a predadores, risco de mortalidade devido à fraqueza física e colisões com veículos. Compreender os padrões de movimento e de voo dos animais em resposta ao incêndio pode ajudar no estabelecimento de áreas-chave para ações de resgate e suplementação. Por exemplo, bordas do incêndio podem ser áreas de intervenção primária.

Quer fujam, fiquem na área próxima ao incêndio, ou em abrigos, as temperaturas ambientais extremas do incêndio predispõem os animais ao estresse térmico agudo, que causa inúmeras alterações fisiológicas, como hiperventilação (Radford et al. 2006), desidratação (que potencialmente danifica os órgãos ), distúrbio do metabolismo lipídico, redução do colesterol plasmático e de fosfolipídios, aumento da quantidade de gordura excretada nas fezes (O’Kelly 1987) e estresse tecidual (Islam et al. 2013). Os efeitos do estresse por calor pioram quando acompanhados por queimaduras nos membros, pés e patas produzidas por superfícies quentes durante o incêndio.

Além de distúrbios fisiológicos, foram relatadas alterações comportamentais em resposta ao estresse térmico, incluindo perda de coordenação, o que por sua vez aumenta o risco de desorientação e de quedas (Radford et al. 2006), tornando difícil escapar, e também um aumento na exibição de comportamentos relacionados ao estresse (Debut et al. 2005). Em geral, o estresse térmico agudo gera angústia e dor no indivíduo, podendo até ser fatal.

Algumas medidas propostas para prevenir o estresse térmico agudo são fornecer bebedouros e manuseio cuidadoso dos animais resgatados (mantê-los no escuro, sem exposição potencial estressante, em uma caixa bem ventilada, oferecendo-lhes água, etc.).

Além do estresse térmico agudo, ferimentos, lesões e outros danos fisiológicos são frequentes para os animais vítimas de desastres naturais como incêndios, que podem levar a altas taxas de mortalidade. Embora atualmente não haja estimativas precisas do número de animais que morrem a cada ano em incêndios, a mortalidade pós-incêndio até o momento é quantificada por estimativas diretas, seja por meio de software (Jeffers et al. 1982; Silveira et al. 1999b), ou com base em relatórios recentes que estimam o tamanho anterior das populações de animais.

Além disso, foi relatada uma atividade predatória intensificada pós-incêndio (Parkins et al. 2019a), o que aumenta o risco de mortalidade de presas (Rickbeil et al. 2017). Lesões como fraqueza muscular ou insuficiência respiratória podem aumentar o risco de predação, porque um predador terá maior probabilidade de caçar um animal enfraquecido e desorientado.

Durante os incêndios, os animais afetados requerem intervenção específica, o que também apresenta vários desafios. É necessário fornecer comida a indivíduos morrendo de fome e assistência médica a animais feridos ou doentes. Por exemplo, acampamentos provisórios in loco com geradores elétricos e suprimentos médicos suficientes podem ser montados para tratar e prestar os primeiros socorros a esses animais. Áreas de comida e água também podem ser facilmente organizadas ao longo dos transectos naturais.

Para aqueles indivíduos que requerem um período de reabilitação em cativeiro antes da reintrodução, algumas recomendações devem ser consideradas:

Primeiro, a avaliação veterinária deve incluir um primeiro diagnóstico das feridas, lesões e doenças anteriores do indivíduo. Fatores como a profundidade, extensão e localização das queimaduras e ferimentos determinarão o sucesso da reabilitação e sobrevivência do animal.

Em segundo lugar, a suplementação nutricional específica pode ser fornecida aos animais selvagens, pois suas necessidades metabólicas variam quando estão doentes ou feridos.

Terceiro, o enriquecimento ambiental por meio de estruturas, estimulação visual/auditiva/tátil, paladar, estimulação cognitiva, habitação social e exercícios devem ser fornecidos aos animais selvagens durante o cativeiro, pois são essenciais para sua recuperação.

Os indivíduos recuperados com sucesso podem ser soltos na natureza. Indivíduos libertados podem ser monitorados para avaliar a eficácia dos processos de reabilitação pós-incêndio, que podem ser ajustados para melhorar os esforços de intervenção futuros (Muths et al. 2014) e para examinar de perto os efeitos do fogo (Engstrom 2010).

Perspectivas e recomendações futuras

A inclusão gradual de animais não domesticados nos planos de evacuação durante os incêndios é viável e crucial para o benefício das comunidades de animais selvagens. As intervenções devem ser melhoradas, especialmente porque o aumento das atividades humanas afetará potencialmente o ambiente natural e a qualidade de vida dos animais selvagens.

Todo sofrimento, angústia e desconforto em potencial durante as capturas, intervenções de resgate, proximidade humana e manuseio devem ser evitados. Devem ser feitos esforços para reduzir a invasividade dos procedimentos de evacuação e de cuidados.

A aplicação mais eficiente de planos de evacuação pode reduzir a confusão das pessoas quando se trata de ajudar os animais afetados. Fornecer ao público informações consistentes aumenta a conscientização e permite uma colaboração mais eficiente entre o público e os voluntários. Por exemplo, abordagens multidisciplinares por meio de avanços tecnológicos e participação da mídia são essenciais para trocar informações e organizar intervenções de forma rápida e eficiente.

Da mesma forma, mais pesquisas são necessárias sobre tópicos como bem-estar de longo prazo (pós-incêndio), planos de evacuação e de treinamento, como os animais detectam e respondem ao incêndio (psicológica e fisiologicamente), compreensão dos processos de incêndio, entre outros.

Limitações deste estudo

Até o momento, os estudos científicos sobre os desafios que os incêndios representam para o bem-estar animal não foram profundamente desenvolvidos. Informações sobre os efeitos do fogo em animais selvagens tendem a relatar a modificação da comunidade vegetal pelo incêndio e a consequente influência sobre os alimentos, a cobertura e o habitat usado por várias espécies animais (Lyon 1978), sem avaliar em profundidade os efeitos nocivos que os incêndios exercem sobre os indivíduos.

A revisão atual tem enfrentado uma falta de estudos quantitativos que avaliem sistematicamente os efeitos prejudiciais que os incêndios têm sobre os animais selvagens, incluindo, por exemplo, o monitoramento dos animais afetados. Além disso, embora a variação na natureza dos incêndios seja um dos principais problemas ao se tentar qualquer generalização sobre os efeitos dos incêndios em animais selvagens (Lyon, 1978), não há uma categorização extensa dos efeitos dependendo dessas características do incêndio.

Conclusões

Atualmente os incêndios ocorrem com maior intensidade e frequência. Como resultado, os animais selvagens podem não estar adaptados para fugir do incêndio e sobreviver. As respostas dos indivíduos dependem de inúmeras circunstâncias, incluindo as características do incêndio, traços de suas histórias de vida, o tipo de gerenciamento do orçamento diário de energia da espécie e estratégias individuais de enfrentamento do estresse. Os incêndios podem aumentar o risco de ferimentos, doenças, estresse e mortalidade para animais que vivem na natureza, resultando em danos fisiológicos e psicológicos, experiências de sofrimento, desconforto e dor, e consequências prejudiciais em longo prazo.

Os animais selvagens podem se beneficiar de resgate, reabilitação e soltura eficazes durante os incêndios, e o monitoramento pós-soltura deve avaliar com precisão o sucesso do resultado. As informações resultantes podem ser usadas para educar veterinários, voluntários, reabilitadores e o público na prevenção do sofrimento e das mortes do maior número possível de animais em futuros incêndios, o que, em última análise, beneficia o bem-estar dos animais.