Efeitos negativos e positivos sobre os animais da fragmentação do habitat

23 Oct 2020
Negative and positive effects of habitat fragmentation

A área em que vivem certos animais pode se fragmentar em várias partes, e pode ser difícil para eles passarem de uma parte a outra. Isso é chamado de fragmentação do habitat. A fragmentação do habitat é prejudicial para alguns animais de muitas maneiras, e há uma tendência de se presumir que isso é tipicamente ruim para eles. No entanto, existem maneiras pelas a fragmentação quais pode ser, na verdade, ter saldo positivo para os animais. Veremos isso abaixo, depois de esclarecer algumas confusões comuns sobre essa questão.

Esclarecendo confusões sobre a relação entre a fragmentação do habitat e o bem-estar dos animais

A fragmentação do habitat não implica necessariamente uma perda na quantidade total de espaço onde um grupo de animais pode viver. Portanto, é diferente de uma redução na quantidade absoluta do habitat.

Existem outros equívocos sobre o tamanho e a integridade do habitat. Frequentemente, é assumido que, quanto maior o tamanho do habitat, melhor para os animais, porque isso permite que mais animais venham à existência. Mas essa ideia confunde ter populações maiores com uma situação melhor. Não há correlação necessária entre essas duas coisas. Na verdade, muitas vezes ocorre o oposto, especialmente quando consideramos animais que geralmente têm vidas com mais sofrimento do que prazer. Isso pode se aplicar a animais que têm um vasto número de descendentes, a maioria dos quais morre logo após começar a existir. Nesses casos, populações menores e menos densas são melhores.

Quando muitas pessoas pensam em fragmentação de habitats, elas podem imaginá-la ocorrendo por meio da ação humana. Devemos ter em mente, porém, que ela também pode acontecer por processos naturais. Exemplos disso incluem inundações, incêndios, mudanças nas correntes oceânicas e mudanças na salinidade, entre outros. Para alguns animais, certas barreiras podem ser intransponíveis, enquanto para outros (como animais voadores) podem não representar um problema. A vasta maioria dos animais é muito pequena, e eventos que podem parecer menores para nós podem dividir as áreas onde vivem. Para um pequeno inseto, uma forte brisa que separa duas folhas previamente unidas pode constituir um evento de fragmentação desse tipo. O que constitui a fragmentação do habitat é, portanto, relativo às necessidades e habilidades de animais específicos.

Diante disso, parece que devemos ter cuidado com os vieses que nos levam a nos concentrar apenas nos vertebrados e apenas nos danos causados ​​por humanos. Como muitos animais ainda têm vidas que não são diretamente afetadas pela ação humana, devemos estar cientes e nos preocupar com o que pode acontecer para os animais devido aos processos naturais.

Diferentes efeitos, negativos e positivos, sobre os animais

A fragmentação do habitat pode ser prejudicial para os animais, tornando mais perigoso o acesso a todas as partes de sua área de distribuição e, potencialmente, impedindo-os de acessar os recursos. Animais especializados em comer apenas tipos limitados de alimentos podem enfrentar novos perigos a fim de encontrar oportunidades suficientes para comer, ou correm o risco de passar fome. Os animais podem se afogar, por exemplo, ao cruzar um rio. Animais com menos mobilidade podem ser afetados mais gravemente porque é mais difícil ou mesmo impossível para eles cruzarem as barreiras. Em alguns casos, passagens superiores e inferiores que permitem que animais especializados as cruzem foram construídas, e isso poderia ser implementado de forma muito mais ampla.

Os efeitos mais importantes resultantes da fragmentação do habitat, no entanto, são de longo prazo. Eles incluem variações no tamanho da população, mudanças na distribuição e mudanças evolutivas. Isso pode ser negativo para o bem-estar dos animais, mas também pode ser positivo para eles. Esses efeitos são mais difíceis de estimar. No entanto, eles são maiores em escala, porque afetam muitas gerações até um futuro distante, ao longo de um período durante o qual muito mais animais viverão.

Um desses efeitos que é tipicamente bastante negativo é quando a fragmentação do habitat favorece evolutivamente os animais generalistas que têm um grande número de filhotes, em vez de animais especializados que têm menos filhotes e dão mais cuidado a cada um. Animais especializados tendem a precisar de ambientes mais estáveis. A seleção dos animais mais generalistas que têm mais descendentes geralmente conduz a mais sofrimento em longo prazo, porque seus descendentes têm maior probabilidade de morrer de fome, exposição ou predação logo após nascer ou sair do ovo. Geralmente, quanto mais descendentes existem, menos sobrevivem, e a maioria deles experimenta pouco mais do que suas próprias mortes.

Por outro lado, se o impacto reduzir o número de animais generalistas que têm vidas com mais sofrimento do que bem-estar, o efeito da fragmentação seria positivo.

Finalmente, a fragmentação do habitat também pode ter o efeito evolutivo de certos traços evoluírem dentro de uma população animal. Esses traços podem influenciar se os animais têm uma vida melhor ou pior. Por exemplo, os traços podem ser ter um número maior de filhotes ou uma expectativa de vida menor. Em longo prazo, essas considerações podem ser muito mais importantes para o bem-estar dos animais do que os efeitos diretos das barreiras que dividem o habitat.Em última análise, devemos tentar aprender mais sobre esses impactos de longo prazo para determinar os efeitos que as mudanças no habitat têm, porque os impactos de longo prazo terão um impacto muito maior do que os diretos e mais imediatos. Considere um caso em que algum evento (por exemplo, chuvas fortes alterando o curso de um rio) causa uma fragmentação do habitat que tem efeitos muito negativos para muitos animais que vivem em uma determinada área naquele momento, mas também implica que, eventualmente, o número total de animais com vidas negativas é reduzida. Nesse caso, os danos diretamente causados ​​seriam menos significativos do que os danos evitados. Na verdade, considerações semelhantes são relevantes não apenas no caso de fragmentação do habitat, mas também no caso de outras mudanças ambientais que podem afetar o bem-estar dos animais de forma positiva ou negativa.

 Um estudo sobre esse tópico

Enquanto trabalhavam para a Ética Animal, Matthew Allcock e Luke Hecht escreveram um estudo sobre os efeitos da fragmentação do habitat sobre o bem-estar, no qual essa postagem se baseou.