Acaba de ser lançado o livro Razões para Ajudar: O Sofrimento dos Animais Selvagens e suas Implicações Éticas

1 Ago 2022

Em julho de 2022 foi lançado pela editora Appris o livro Razões para ajudar: o sofrimento dos animais selvagens e suas implicações éticas, de autoria de Luciano Carlos Cunha, membro da Ética Animal. Em 323 páginas divididas em nove capítulos, a obra descreve como os animais selvagens são tipicamente afetados pelos processos naturais e discute em detalhes as várias questões éticas que essa situação coloca.

Uma crença comum é a de que os animais selvagens são prejudicados significativamente  apenas por práticas humanas. A obra inicia descrevendo como esses animais são tipicamente afetados pelos processos naturais, e investiga se o que tende a prevalecer em suas vidas é o sofrimento ou o desfrute e quantos animais morrem prematuramente para cada um que consegue sobreviver.

Uma visão recorrente é a de que tudo o que devemos fazer em relação aos animais selvagens é parar de prejudicá-los – isto é, que deveríamos simplesmente “deixar a natureza seguir o seu curso”. Outra, por vezes defendida, é a de que deveríamos ajudá-los apenas quando isso beneficiasse os humanos (por exemplo, vaciná-los para proteger humanos do contágio) ou contribuísse para alcançar metas ambientalistas (como preservar espécies em risco de extinção). Também não é incomum a visão de que devemos ajudá-los por preocupação com o seu próprio bem somente se forem vítimas de práticas humanas.

Contudo, uma proposta que vem sendo cada vez mais discutida é a de pesquisar maneiras de ajudá-los, independentemente de a ameaça surgir de práticas humanas ou de processos naturais. Essa proposta é fundada na consideração pelos próprios animais, e não em preocupações indiretas antropocêntricas ou ambientalistas. Seu objetivo é pesquisar como ajudá-los com segurança, de modo que o resultado ao longo do tempo contenha menos sofrimento e mortes prematuras do que aquele decorrente de não tentar ajudar. Razões para ajudar apresenta os argumentos que fundamentam essa proposta e discute as objeções que têm sido levantadas contra ela. A seguir, estão alguns exemplos de tópicos discutidos no livro:

Os animais selvagens teriam um direito de viver sem interferência humana? A preocupação com o equilíbrio ecológico e com a biodiversidade poderia tornar errado ajudá-los? Danos naturais seriam neutros em termos de valor? Somos moralmente responsáveis apenas por danos decorrentes de práticas humanas? A proposta de ajudar os animais é exigente demais? Qual é a força das razões para ajudar os animais nessas situações, em comparação a casos similares em que humanos são as vítimas? Qual é o tamanho da importância dessa questão, em comparação a outras questões também importantes? Pesquisar sobre essa questão é uma maneira eficiente de reduzir o sofrimento no mundo, dados os discursos de que dispomos? Qual é o tamanho do risco de, ao tentar ajudá-los, sem querer tornarmos o cenário ainda pior em longo prazo? O que é possível pesquisar para prevenir esse risco? O que já vem sendo feito para ajudá-los? O que mais poderia ser feito no futuro?

Razões para ajudar discute todas essas questões e muitas outras relacionadas, fazendo uma análise detalhada e ao mesmo tempo clara e objetiva de cada tópico. Por essa razão, será útil tanto para especialistas quanto para o público em geral.

O livro pode ser adquirido no site da editora por meio do link a seguir:

Razões para ajudar: o sofrimento dos animais selvagens e suas implicações éticas