A Ética Animal está promovendo um novo projeto de pesquisa que examina as causas de danos e de mortalidade para os animais selvagens na Grécia

30 Apr 2019
grey hedgehog sniffing soil

Temos o prazer de anunciar que a Ética Animal está promovendo um estudo da mortalidade e da morbidade de animais silvestres internados em santuários e centros de resgate na Grécia. Quem conduzirá a pesquisa é Elisabeth Dimitras, especialista na ciência da ecologia e defensora dos animais que vivem em estado selvagem, cujo trabalho neste projeto a Ética Animal está financiando.

Essa pesquisa será realizada com o objetivo de ajudar a responder duas questões muito importantes:

(1) Quais são as razões pelas quais os animais são prejudicados na natureza? Essa é uma questão que diz respeito à nossa compreensão adequada do sofrimento dos animais selvagens.

(2) Que desafios existem quando tentamos ajudar os animais feridos na natureza? Essa é uma questão que precisamos abordar para sermos capazes de decidir quais cursos de ação são mais ​​eficientes para aliviar o sofrimento dos animais selvagens.

Existem muitos centros de reabilitação de animais selvagens na Grécia, portanto, quando um animal selvagem é encontrado ferido, doente ou órfão, há muitas possibilidades de efetuar o seu resgate, tratamento e cuidados continuados. No entanto, não há informações sobre as causas pelas quais os animais acabam nesses centros e sobre como eles se saem depois de serem admitidos. Essa pesquisa examinará os dados dos últimos anos e analisará as razões da admissão, as taxas de mortalidade, a causa da morte de acordo com a idade e sexo, como isso varia ao longo do tempo e a situação dos animais após o tratamento. Tudo isso vai ajudar a responder as duas questões indicadas acima.

No geral, as pessoas tendem a se concentrar nas razões antropogênicas do sofrimento dos animais selvagens. Há pouca consciência dos fatores naturais que prejudicam os animais na natureza (por exemplo, parasitas, doenças, condições climáticas ou lesões não relacionadas à atividade humana, entre outras). Isso ocorre principalmente porque muitas pessoas têm uma ideia errada sobre os animais selvagens que vivem em seu ambiente natural, imaginando-os com pouco sofrimento além daquele causado pelos seres humanos. Outra razão é a crença de que o que é natural é inerentemente bom, independentemente de como os animais se sentem.

Para responder as duas perguntas principais do projeto, essa pesquisa examinará as seguintes questões:

(1) No momento em que os animais são admitidos no centro ou santuário:

Qual é a principal causa de lesão ou morte para os membros de cada espécie e em cada região? Qual é a taxa de mortalidade para cada espécie?

Há um padrão de idade (recém-nascidos, jovens, adultos) ou um padrão de acordo com o sexo?

Como isso varia com o tempo?

Que épocas são mais perigosas para os animais e por que?

(2) Durante o tempo em que os animais são cuidados no centro ou santuário:

Quais são as taxas de mortalidade de acordo com sexo e idade para cada espécie?

Quais são as condições de vida dos indivíduos que vivem em seus santuários?

Quantos dos indivíduos retornaram ao mundo selvagem?

A Ética Animal continuará a fazer possível pesquisas como essa, que nos ajudarão a entender melhor o sofrimento dos animais silvestres e as maneiras de combatê-lo. Em breve anunciaremos outros projetos com esse objetivo. Esses projetos são possíveis graças a todas as pessoas que apoiam nosso trabalho.

Se você quiser saber mais sobre esses problemas, veja nossas seções sobre a situação dos animais na natureza e sobre o que podemos fazer para ajudá-los.