Top nav

Close up of pigeon standing on pavement

Que seres são conscientes?

Dados os critérios que temos para considerar se um ser é consciente, é razoável concluir que vertebrados e um grande número de invertebrados são conscientes. Os casos mais claros são aqueles dos animais que possuem um sistema nervoso central cujo órgão central (basicamente um cérebro) possui algum desenvolvimento. Entretanto, há um número de animais que possuem sistemas nervosos centrais cujo órgão central não é bem desenvolvido. Nestes casos podem surgir dúvidas sobre se eles são conscientes ou não. A razão para isso é que se para ser consciente é necessário que um sistema nervoso esteja organizado de uma certa maneira, então a trajetória evolutiva que conduzirá até lá necessariamente passará primeiro, em seus estágios prévios, pela existência de um sistema nervoso sem qualquer centralização, e depois por um sistema nervoso que começa a ser centralizado, mas não o suficiente para hospedar consciência. Primeiro, o sistema nervoso torna-se minimamente centralizado, com alguns gânglios nervosos muito simples, em seguida, com alguns gânglios mais complexos. Os sistemas nervosos tornam-se mais complexos até que em algum ponto o fenômeno da consciência surge. Ao longo da trajetória evolutiva pode haver estágios nos quais existam alguns sistemas nervosos minimamente centralizados que não dão origem à consciência.

Não sabemos com toda certeza se existem atualmente animais com sistemas nervosos minimamente centralizados que não promovam consciência. É possível que todos os sistemas nervosos centrais que existem atualmente sejam centralizados o suficiente para hospedar consciência. Esse poderia ser o caso se todos aqueles que estavam no estágio intermediário, isto é, tendo sistemas nervosos minimamente centralizados que não suscitam consciência, já estivessem extintos. Nós não temos resposta a essa questão nesse momento.

 

Vertebrados e muitos invertebrados são conscientes

Entre os animais que são conscientes podemos incluir com um alto grau de certeza os vertebrados, incluindo os seres humanos, e invertebrados tais como os cefalópodes (como polvos e lulas), já que eles satisfazem os critérios para a senciência. Além disso, também temos fortes razões para acreditar que outros animais como os artrópodes (insetos, aracnídeos e crustáceos) também são conscientes. A fisiologia desses animais é organizada de maneiras que parecem ser suficientes para dar origem à consciência, e seus comportamentos também parecem apoiar essa ideia.1

Quanto aos outros animais, como moluscos bivalves, não temos razões tão fortes quanto aquelas que temos nos casos anteriores..2 No entanto, dados os problemas envolvidos na determinação das bases da consciência, não podemos descartar completamente a possibilidade de eles serem sencientes, ao contrário do caso daqueles com um sistema nervoso que não é centralizado.

A seguir estão alguns exemplos de animais que poderiam cair, respectivamente, nesses dois grupos.

 

Insetos e outros artrópodes

Muitas vezes é uma questão controversa se os animais como insetos, aracnídeos e outros artrópodes são sencientes.3

No caso dos insetos, podemos considerar a seguinte linha de raciocínio, que na verdade é um argumento por homologia. Insetos possuem um sistema nervoso central que é centralizado não somente devido à presença de gânglios, mas que na verdade inclui um cérebro. Deve-se notar, entretanto, que é um cérebro muito simples e pequeno. Portanto, considerar a fisiologia dos insetos por si só não é suficiente para concluir se eles são conscientes ou não. Além disso, o comportamento de alguns insetos é muito simples. Outros, no entanto, têm um comportamento muito complexo. Um exemplo claro disso é o das abelhas. Seu comportamento, incluindo sua famosa dança do balanço, leva a acreditar que elas são realmente seres com experiências, isto é, elas são conscientes.4 Existem outros insetos que possuem uma estrutura fisiológica muito similar à das abelhas, mas que apresentam apenas comportamentos muito simples, tais como mosquitos. Devido à similaridade de seus sistemas nervosos, podemos acreditar que se as abelhas são conscientes, então eles também são conscientes. Devemos ter em mente, contudo, que isso não se segue automaticamente. Nós não devemos perder de vista o fato de que os insetos constituem a mais numerosa classe de animais existentes atualmente. Por isso, existem certas diferenças entre eles que são muito mais significantes do que aquelas que podem ocorrer entre os mamíferos, por exemplo.

Devido a essa grande variação entre os insetos, uma resposta diferente pode ser alegar que as abelhas (ou, em geral, himenópteros, a ordem dos insetos à qual as abelhas pertencem e que inclui vespas e formigas) são conscientes, enquanto que outros insetos não são. Ou, talvez, que mesmo que todos os insetos sejam conscientes, as abelhas são capazes de ter experiências mais vívidas. Parece mais provavelmente que este seja o caso do que apenas alguns insetos serem sencientes. Embora as diferenças nos comportamentos de insetos sejam muito significantes, as diferenças entre suas fisiologias não são tão importantes a ponto de nos levarem a concluir que somente alguns deles sejam sencientes.

É claro, uma linha de raciocínio diferente também é possível. Poderíamos acreditar que seres que exibem apenas comportamentos simples não poderiam ser sencientes. A partir daí, poderíamos afirmar que a estrutura dos sistemas nervosos desses animais não seria complexa o bastante para que a consciência apareça (apesar de sua centralização). Portanto, concluiríamos que, uma vez que seus sistemas nervosos são similares aos dos animais que apresentam apenas comportamentos simples, animais como abelhas não poderiam ser realmente conscientes, já que eles não teriam a estrutura nervosa necessária. Alegaríamos então que até mesmo comportamentos tão complexos como os das abelhas poderiam ocorrer por meio de mecanismos que não implicariam a presença de consciência. Essa explicação, no entanto, parece menos plausível do que a anterior, que comportamentos complexos implicam consciência e que, uma vez que alguns insetos demonstram comportamentos complexos, os sistemas nervosos de todos os insetos são similares o suficiente de maneira que todos os insetos precisam ser conscientes, embora possivelmente em diferentes graus. Um ser pode ser consciente e apresentar um comportamento relativamente simples. Parece mais improvável, entretanto, que um ser não consciente exibiria um comportamento complexo.5

Na mesma linha, poderíamos considerar outros critérios, como a presença dos chamados opioides naturais entre os insetos. Isso reforçaria a alegação de que esses animais são sencientes.

No caso de outros artrópodes, tais como aracnídeos, por exemplo, não poderíamos apelar à lógica evolutiva para aplicar as conclusões que chegamos no caso dos insetos, uma vez que eles não estão proximamente relacionados. Apesar disso, podemos seguir um argumento a partir da homologia. As estruturas nervosas dos insetos não são significativamente mais complexas do que a dos aracnídeos. Além disso, o comportamento dos aracnídeos não é muito diferente daquele de vários de insetos. Por isso, pode fazer sentido inferir que se insetos são sencientes, então os aracnídeos são sencientes também.

Podemos ver que estamos enfrentando uma questão para a qual não podemos chegar a uma resposta imediata e clara. Entretanto, podemos considerar conjuntamente todos os critérios distintos que possuímos para examinar a questão, e ponderar todas as evidências que temos a fim de progredir na direção de encontrar qual é a resposta mais plausível. De fato, o processo de raciocínio é similar àquele que é seguido no caso de outros animais (tais como, por exemplo, vertebrados). Apenas ocorre que aqui podemos precisar prestar atenção a mais fatores.

 

Bivalves e outros seres que têm sistemas nervosos centralizados com gânglios

O problema se torna mais complexo se considerarmos outros seres com uma estrutura mais simples, que na verdade não têm um cérebro, como têm os insetos, mas somente algum gânglio nervoso central, como, por exemplo, moluscos bivalves.6 Isso ocorre no caso de muitos invertebrados. O apelo à lógica evolutiva nesses casos não é útil, uma vez que o comportamento que esses animais exibem é muito simples. Poderia ser realizado sem a necessidade de que os animais que o apresentam sejam conscientes. Isso ocorre em particular no caso dos animais que permanecem presos a pedras ou outras superfícies sem movimento, no caso dos bivalves ou de certos crustáceos como cracas. Bivalves podem realizar certos movimentos, como abrir e fechar suas conchas. Mas esses movimentos podem ser acionados de uma forma mais econômica em termos de energia por algum mecanismo de estímulo-resposta (de fato, seu comportamento não é mais complexo do que o de outros seres sem um sistema nervoso central, tais como plantas carnívoras ou certos equinodermos). De qualquer forma, sua fisiologia deixa a questão em aberto.2 Pode ser que eles tenham experiências. Não é possível descartar essa possibilidade dada nossa falta de conhecimento sobre como responder a pergunta sobre qual é a base da consciência.

Há outros indicadores que não são conclusivos, embora possam nos ajudar a avaliar a questão. Bivalves possuem mecanismos que são análogos a receptores opioides possuídos por outros animais.7 Em outros animais, a função desses receptores é tornar possível ter o seu sofrimento aliviado quando eles estão em dor significativa. Devido a isso, uma explicação muito plausível de por que os bivalves possuem esses receptores, talvez a mais plausível, é que eles também sejam capazes de sofrer. Mas isso não é totalmente conclusivo. Também é possível que os organismos desses animais usem essas substâncias com uma finalidade distinta daquela que elas têm em outros animais.

Além destas, há outras razões que apoiam a ideia de que bivalves e outros animais com sistemas nervosos centrais muito simples possam sofrer. Uma delas é que alguns bivalves têm olhos muito simples, e a explicação mais plausível é que um ser com olhos também tenha a experiência da visão.8 Além disso, descobriu-se que a frequência cardíaca dos bivalves acelera em situações nas quais eles são ameaçados por predadores.9 Esses indicadores, novamente, não são totalmente conclusivos, mas demonstram que não está claro que esses animais não são conscientes. No caso de outros animais que podem ter sistemas nervosos com alguma centralização podemos afirmar algo semelhante.


Leituras adicionais:

Allen, C. & Trestman, M. (2004) “Animal consciousness”, em Zalta, E. N. (ed.) The Stanford Encyclopedia of Philosophy [acessado em 21 de setembro de 2013].

Barr, S.; Laming, P. R.; Dick, J. T. A. & Elwood, R. W. (2008) “Nociception or pain in a decapod crustacean?”, Animal Behaviour, 75, pp. 745-751.

Broom, D. M. (2007) “Cognitive ability and sentience: Which aquatic animals should be protected?”, Diseases of Aquatic Organisms, 75, pp. 99-108.

Crook, R. J. & Walters, E. T. (2011) “Nociceptive behavior and physiology of molluscs: Animal welfare implications”, ILAR Journal, 52, pp. 185-195 [acessado em 5 de outubro de 2013].

Crook, R. J. (2013) “The welfare of invertebrate animals in research: Can science’s next generation improve their lot?”, Journal of Postdoctoral Research, 1 (2), pp. 9-18 [acessado em 22 de fevereiro de 2014].

Crook, R. J.; Hanlon, R. T. & Walters, E. T. (2013) “Squid have nociceptors that display widespread long-term sensitization and spontaneous activity after bodily injury”, The Journal of Neuroscience, 33, pp. 10021-10026.

Dawkins, M. S. (2001) “Who needs consciousness?”, Animal Welfare, 10, pp. 19- 29.

Eisemann, C. H.; Jorgensen, W. K.; Merritt, D. J.; Rice, M. J.; Cribb, B. W.; Webb, P. D. & Zalucki, M. P. (1984) “Do insects feel pain? A biological view”, Experentia, 40, pp. 164-167.

Elwood, R. W. & Appel, M. (2009) “Pain experience in hermit crabs?”, Animal Behaviour, 77, pp. 1243-1246.

Elwood, R. W. (2011) “Pain and suffering in invertebrates?”, ILAR Journal, 52, pp. 175-184.

Elwood, R. W. & Adams, L. (2015) “Electric shock causes physiological stress responses in shore crabs, consistent with prediction of pain”, Biology Letters, 11 (1) [acessado em 13 de novembro de 2015].

Fiorito, G. (1986) “Is there ‘pain’ in Invertebrates?”, Behavioural Processes, 12, pp. 383-388.

Gherardi, F. (2009) “Behavioural indicators of pain in crustacean decapods”, Annali dell´Istituto Superiore di Sanita, 45, pp. 432-438.

Gentle, M. J. (1992) “Pain in birds”, Animal Welfare, 1, pp. 235-247.

Griffin, D. R. (1984) Animal thinking, Cambridge, MA: Harvard University Press.

Griffin, D. R. (2001) Animal minds: Beyond cognition to consciousness, Chicago: Chicago University Press.

Harvey-Clark, C. (2011) “IACUC challenges in invertebrate research”, ILAR Journal, 52, pp. 213-220 [acessado em 14 de fevereiro de 2013].

Horvath, K.; Angeletti, D.; Nascetti, G. & Carere, C. (2013) “Invertebrate welfare: An overlooked issue”, Annali dell´Istituto superiore di sanità, 49, pp. 9-17 [acessado em 3 de outubro de 2013].

Huffard, C. L. (2013) “Cephalopod neurobiology: An introduction for biologists working in other model systems”, Invertebrate Neuroscience, 13, pp. 11-8.

Kamenos, N. A.; Calosi, P. & Moore, P. P. (2006) “Substratum-mediated heart rate responses of an invertebrate to predation threat”, Animal Behaviour, 71, pp. 809-813.

Knutsson, S. (2015a) The moral importance of small animals, Master’s thesis in practical philosophy, Gotemburgo: University of Gothenburg [acessado em 4 de janeiro de 2016].

Knutsson, S. (2015b) “How good or bad is the life of an insect”, simonknutsson.com [acessado em 4 de janeiro de 2016].

Magee, B.; Elwood, R. W. (2013) “Shock avoidance by discrimination learning in the shore crab (Carcinus maenas) is consistent with a key criterion for pain”, Journal of Experimental Biology, 216, pp. 353-358 [acessado em 25 de dezembro de 2015].

Mather, J. A. & Anderson, R. C. (2007) “Ethics and invertebrates: A cephalopod perspective”, Diseases of Aquatic Organisms, 75, pp. 119-129.

Mather, J. A. (2001) “Animal suffering: An invertebrate perspective”, Journal of Applied Animal Welfare Science, 4, pp. 151-156.

Mather, J. A. (2008) “Cephalopod consciousness: Behavioral evidence”, Consciousness and Cognition, 17, pp. 37-48.

Sherwin, C. M. (2001) “Can invertebrates suffer? Or, how robust is argument-by-analogy?”, Animal Welfare, 10, pp. 103-118.

Tomasik, B. (2013) “Speculations on population dynamics of bug suffering”, Essays on Reducing Suffering [acessado em 4 de junho de 2016].

Tomasik, B. (2015) “The importance of insect suffering”, Essays on Reducing Suffering [acessado em 4 de jumho de 2016].

Volpato, G. L. (2009) “Challenges in assessing fish welfare”, ILAR Journal, 50, pp. 329-337 [acessado em 30 de maio de 2013].

Walters, E. T. & Moroz, L. L. (2009) “Molluscan memory of injury: Evolutionary insights into chronic pain and neurological disorders”, Brain, Behavior and Evolution, 74, pp. 206-218 [acessado em 22 de setembro de 2013].

Zullo, L. & Hochner, B. (2011) “A new perspective on the organization of an invertebrate brain”, Communicative & integrative biology, 4, pp. 26-29.


 

Notas:

1  Braithwaite, V. A. (2010) Do fish feel pain? Oxford: Oxford University Press. Sherwin, O. M. (2001) “Can invertebrates suffer? Or how robust is argument-by-analogy?”, Animal Welfare, 10, pp. 103-108. Sneddon, L. U.; Braithwaite, V. A. & Gentle, M. J. (2003) “Do fishes have nociceptors? Evidence for the evolution of a vertebrate sensory system”, Proceedings of the Royal Society of London, Series B, 270, pp. 1115-1121. Elwood, R. W.; Barr, S. & Patterson, L. (2009) “Pain and stress in crustaceans?”, Applied Animal Behaviour Science, 118, pp. 128-136.

2  Crook, R. J. & Walters, E. T. (2011) “Nociceptive behavior and physiology of molluscs: Animal welfare implications”, ILAR Journal, 52, pp. 185-195 [acessado em 15 de outubro de 2013].

3  Wigglesworth, V. B. (1980) “Do insects feel pain?”, Antenna, 4, pp. 8-9. Allen-Hermanson, S. (2008) “Insects and the problem of simple minds: Are bees natural zombies?”, Journal of Philosophy, 105, pp. 389-415.

4  Balderrama, N.; Díaz, H.; Sequeda, A.; Núñez, A. & Maldonado H. (1987) “Behavioral and pharmacological analysis of the stinging response in africanized and italian bees”, en Menzel, Randolf & Mercer, Alison R. (eds.) Neurobiology and behavior of honeybees, Berlin: Springer-Verlag, p. 127. Núñez, J.; Almeida, L.; Balderrama, N. & Giurfa, M. (1997) “Alarm pheromone induces stress analgesia via an opioid system in the honeybee”, Physiology & Behaviour, 63, p. 78.

5  Essa é uma questão central quando se trata de como as experiências negativas e positivas estão espalhadas na natureza, que é feita em um trabalho pioneiro sobre a análise do sofrimento dos animais na natureza, Ng, Y.-K. (1995) “Towards welfare biology: Evolutionary economics of animal consciousness and suffering”, Biology and Philosophy, 10, pp. 255–285.

6  Tenha em mente que outros moluscos, tais como cefalópodes, têm sistemas nervosos totalmente diferentes, que são muito mais complexos.

7  Smith, J. A. (1991) “A question of pain in invertebrates”, ILAR Journal, 33, pp. 25-31 [acessado em 20 de outubro de 2013].

8  Gibson, R. N.; Barnes, M. & Atkinson, R. J. A. (2001) “The evolution of eyes in the Bivalvia”, Oceanography and Marine Biology: An Annual Review, 39, pp. 165-205

9  Kamenos, N. A.; Calosi, P. & Moore, P. G. (2006) “Substratum-mediated heart rate responses of an invertebrate to predation threat”, Animal Behaviour, 71, pp. 809-813.

Top nav