Top nav

orphan-wild-animals

Adoção de animais selvagens órfãos

Animais na natureza às vezes perdem um ou ambos os pais. Nessa situação, muitas vezes é improvável que sobrevivam. A maioria morrerá de fome. O pequeno número de órfãos que sobrevivem pode passar por dificuldades terríveis.

Devido a razões evolutivas, a maioria dos animais jovens morre pouco depois de vir à existência. É muito difícil que animais muito jovens sobrevivam. A maioria dos animais recém nascidos não recebe nenhum cuidado parental, o que aumentar o risco de morte. Porém, aqueles que recebem cuidado parental podem ser tão dependentes do mesmo que perdê-lo significa morte quase certa.

Além disso, muitos animais não humanos têm fortes ligações emocionais com suas famílias, sentem falta de seus pais e ficam tristes quando eles morrem. Animais sociais que se tornam órfãos também podem sofrer de solidão por serem privados de interação social. Felizmente, humanos podem auxiliá-los, resgatando-os e fornecendo os cuidados que eles necessitam, embora isso raramente aconteça. É comum que se resgate órfãos que pertencem a espécies em risco de extinção, a partir de motivações conservacionistas. Isso com certeza beneficia os animais que são ajudados, mas ajudar animais órfãos deveria ser algo feito para o bem dos próprios animais independentemente de quantos outros indivíduos pertencem à mesma espécie. Alguns exemplos de orfanatos e de maneiras de ajudar animais órfãos podem ser vistas aqui:

Filhote de rinoceronte cego é resgatado por guardas após ser visto colidindo com árvores e pedras na natureza

Filhote de esquilo-vermelho é resgatado após mãe ser atropelada

Filhote de foca anda até abrigo para animais

Filhote de foca anda vários quilômetros

Gorilas órfãos

Chimfunshi

Conheça este orfanato para orangotangos

Sagui surdo abandonado é adotado por santuário

Família adota guaxinim

Família adota filhote de corvo

África do sul abre orfanato para rinocerontes

The David Sheldrake Wildlife Trust

Orfanato para Elefantes Jumbo Foundation


Leituras adicionais

Bovenkerk, B.; Stafleu, F.; Tramper, R.; Vorstenbosch, J. & Brom, F. W. A. (2003) “To act or not to act? Sheltering animals from the wild: A pluralistic account of a conflict between animal and environmental ethics”, Ethics, Place and Environment, 6, pp. 13-26.

Faria, C. & Paez, E. (2015) “Animals in need: The problem of wild animal suffering and intervention in nature”, Relations: Beyond Anthropocentrism, 3, pp. 7-13 [acessado em 6 de novembro de 2015].

Dawkins, R. (1995) “God’s utility function”, Scientific American, 274 (6), pp. 80-85.

Donaldson, S. & Kymlicka, W. (2011) Zoopolis: A political theory of animal rights, Oxford: Oxford University Press.

Dorado, D. (2015) “Ethical interventions in the wild: An annotated bibliography”, Relations: Beyond Anthropocentrism, 3, pp. 219-238 [acessado em 6 de novembro de 2015].

Hadley, J. (2006) “The duty to aid nonhuman animals in dire need”, Journal of Applied Philosophy, 23, 445-451.

Horta, O. (2013) “Zoopolis, intervention, and the state or nature”, Law, Ethics and Philosophy, 1, pp. 113-25 [acessado em 21 de janeiro de 2016].

Horta, O. (2015) “O problema do mal natural: bases evolutivas da prevalência do desvalor”, Revista Brasileira de Direito Animal, 10, pp. 111-135 [accessado em 6 de janeiro de 2017].

Kirkwood, J. K. & Sainsbury, A. W. (1996) “Ethics of interventions for the welfare of free-living wild animals”, Animal Welfare, 5, pp. 235-243.

Kirkwood, J. K.; Sainsbury, A. W. & Bennett, P.M. (1994) “The welfare of free-living wild animals: Methods of assessment”, Animal Welfare, 3, pp. 257-273.

Morris, Michael C. & Thornhill, R. H. (2006) “Animal liberationist responses to non-anthropogenic animal suffering”, Worldviews, 10, 355-379.

Ng, Y.-K. (1995) “Towards welfare biology: Evolutionary economics of animal consciousness and suffering”, Biology and Philosophy, 10, pp. 255-285.

Nussbaum, M. C. (2006) Frontiers of justice: Disability, nationality, species membership, Cambridge: Harvard University Press.

Paez, E. (2015) “Refusing help and inflicting harm: A critique of the environmentalist view”, Relations: Beyond Anthropocentrism, 3, pp. 165-178 [acessado em 10 de novembro de 2015].

Tomasik, B. (2013) “Ideas for volunteering to reduce wild-animal suffering”, Essays on Reducing Suffering [acessado em 19 de dezembro de 2015].

Tomasik, B. (2015) “The importance of wild animal suffering”, Relations: Beyond Anthropocentrism, 3, pp. 133-152 [acessado em 20 de novembro de 2015].

Torres, M. (2015) “The case for intervention in nature on behalf of animals: A critical review of the main arguments against intervention”, Relations: Beyond Anthropocentrism, 3, pp. 33-49 [acessado em 11 de dezembro de 2015].

Top nav